Cientistas criam células similares às embrionárias de maneira simples

Em experimentos que podem iniciar uma nova era na biologia das células-tronco, cientistas descobriram uma forma barata e fácil de reprogramar células maduras de um rato de volta a um estado similar ao embrionário, o que permitiu-lhes gerar vários tipos de tecidos.

A pesquisa sugere que células humanas poderiam no futuro ser reprogramadas com a mesma técnica, oferecendo assim uma maneira mais simples para substituir células danificadas ou desenvolver novos órgãos para pessoas doentes ou feridas.

Chris Mason, do setor de bioprocessamento médico regenerativo do University College London, na capital britânica, que não participou do trabalho, disse que o método era “o mais simples, barato e rápido” para gerar as chamadas células pluripotentes (as capazes de se desenvolver em vários tipos diferentes de células) a partir de cédulas maduras, as células normais do corpo, chamadas de somáticas.

“Se isso funcionar com humanos, isso pode mudar todo o cenário, pode tornar possível terapias usando as células do próprio paciente como material inicial. A era da medicina personalizada iria finalmente chegar”, afirmou.

Os experimentos, relatados em dois artigos no periódico Nature nesta quarta-feira (29), contaram com cientistas do centro Riken de biologia, no Japão, e da Escola de Medicina de Harvard, nos Estados Unidos.

As chamadas células STAP (Aquisição de Pluripotência Desencadeada por Estímulo) têm algumas características que se assemelham a células-tronco embrionárias, mas com uma capacidade limitada de auto-renovação.  Elas representam um estado único de pluripotência, que, em condições de cultura de células-tronco pluripotentes, podem se transformar em células-tronco semelhantes às embrionárias.

Método

A partir de células maduras, adultas, os pesquisadores deixaram que elas se multiplicassem e depois as submeteram a estresse quase ao ponto de matá-las, explicaram eles.

Depois de dias, os cientistas descobriram que as células sobreviveram e se recuperaram, ao naturalmente retrocederem a um estado similar ao de uma célula-tronco embrionária.

Essas células se diferenciaram e se desenvolveram em diferentes tipo de células e tecidos, dependendo dos ambientes aos quais elas foram submetidas.

“Se nós pudermos descobrir os mecanismos pelos quais os diferentes estados se mantêm ou se perdem, isso poderia abrir várias possibilidades para novas pesquisas e aplicações usando células vivas”, afirmou Haruko Obokata, que comandou a pesquisa no Riken.

Esse novo processo de reprogramação não precisa da habitual manipulação nuclear ou da introdução dos chamados fatores de transcrição -proteínas que regulam a transcrição do DNA-, necessários até agora para induzir a “pluripotência”.

Por isso, os cientistas acham que seu trabalho poderia ter “importantes implicações” no campo da medicina regenerativa.

Concretamente Haruko Obokata e seus colegas descobriram que as células somáticas dos mamíferos podem se reprogramar em condições de acidez.

A reprogramação como resposta ao estresse meio ambiental foi observada anteriormente em plantas, onde as células maduras podem se transformar em células imaturas capazes de formar uma nova estrutura da planta, incluindo raízes e talos, lembra a publicação.

[UOL]