Categorias
Animes e mangás

Sexualização em videogames não afeta ninguém, diz estudo

A sexualização em videogames não parece prejudicar os jogadores, de acordo com uma nova pesquisa publicada no portal ScienceDirect. Os resultados indicam que jogar videogame não leva a visões misóginas ou resultados prejudiciais à saúde mental. Personagens femininas costumam ser atraentes e se vestem com pouca roupa em videogames, então algumas pessoas levantaram preocupações de que a representação sexualizada de mulheres tenha efeitos negativos sobre os jogadores, mas pesquisas sobre o assunto produziram resultados conflitantes.

Sexualização em videogames não afeta ninguém, diz estudo

Para entender melhor se jogar videogame está associado à diminuição do bem-estar do jogador ou ao aumento da misoginia, os autores da pesquisa usaram uma técnica estatística conhecida como meta-análise para avaliar sistematicamente os resultados de pesquisas anteriores. “Há duas décadas venho estudando os efeitos dos videogames nos jogadores, a maioria deles na violência. Acho que a maioria das pessoas passou a aceitar que não há relação entre videogames violentos e agressividade ou crimes violentos”, explicou o autor do estudo, Christopher J. Ferguson, professor de psicologia da Universidade Stetson.

“No entanto, as pessoas ainda se perguntam muito sobre sexualização e se os jogos tornam os jogadores masculinos mais sexistas em relação às mulheres ou se as jogadoras experimentam mais insatisfação corporal e outros problemas de bem-estar. É um campo de pesquisa muito menor do que a violência, então esperávamos trazer alguma clareza.”

Ferguson e sua equipe de pesquisa realizaram uma meta-análise de dezoito estudos relevantes. Todos os estudos incluíram uma medida de exposição a videogames gerais ou sexualizados. Quinze dos estudos mediram agressão contra mulheres ou atitudes sexistas, enquanto dez estudos mediram resultados relacionados à depressão, imagem corporal ou ansiedade. Mas os pesquisadores não conseguiram encontrar uma relação estatisticamente significativa entre videogames e atitudes sexistas ou bem-estar psicológico.

Em geral, o “pânico moral” sobre videogames e sexualização segue mais ou menos o padrão “de mente fechada” do debate sobre videogames. Muita hipérbole e indignação moral, mas muito pouca evidência de que os videogames estão fazendo algum ‘dano’ para jogadores masculinos ou femininos.”

“Como uma questão puramente de ‘saúde pública’, isso não parece uma grande preocupação. Isso não significa que as pessoas não possam defender uma melhor representação das mulheres nos jogos. Eles só precisam ter cuidado para não fazer alegações “prejudiciais” que podem ser facilmente desacreditadas, questionando assim o que poderia ser alvos de defesa razoáveis”. Os pesquisadores também avaliaram a qualidade dos estudos, examinando fatores como pré-registro, medidas padronizadas, classificações independentes de conteúdo de videogame e o uso de variáveis ​​de controle.

“A principal ressalva é simplesmente que muitos dos estudos não são muito bons. A boa notícia é que estudos de alta qualidade eram menos propensos a encontrar evidências de efeitos negativos do que estudos de qualidade inferior. Em alguns casos, os acadêmicos provavelmente contribuíram com suas visões morais pessoais nos estudos, embora não intencionalmente. É verdade que ainda é uma área de pesquisa bastante pequena, mas esses dados iniciais têm sido tão insatisfatórios que não tenho certeza de que haja muito a extrair aqui”, esclareceu.

“Obviamente passamos por esses ciclos de culpar a mídia pelos problemas sociais. Pelo menos com a mídia ficcional, as evidências geralmente revelam que provavelmente estamos usando a mídia como bode expiatório e que a ficção raramente causa problemas sociais. Mais uma vez, para ser justo, defender uma melhor representação das mulheres nos jogos pode ser uma causa digna, mesmo que os jogos não causem efeitos negativos. Eu apoio esses esforços, só espero que os defensores não deturpem as evidências como parte de seus esforços.”

Fonte: ScienceDirect via PsyPost

Copyright © 2022 Elsevier BV ou seus licenciadores ou colaboradores.