Categorias
Animes e mangás

Ministério da Defesa do Japão aposta no desenvolvimento do ‘Railgun’

O Ministério da Defesa do Japão está dedicando sérios recursos de pesquisa e desenvolvimento a “Raiguns”, uma arma até então de ficção científica que dispara projéteis muito rápido, muito longe e em alta velocidade usando energia eletromagnética em vez de pólvora. Cerca de 6,5 bilhões de ienes (cerca de US$ 56 milhões) foram alocados para o projeto “rail gun” na proposta orçamentária inicial do governo para o ano fiscal de 2022. Com a China e a Coreia do Norte desenvolvendo armas hipersônicas difíceis de interceptar, o Japão fará a arma parte do suas defesas aéreas?

Ministério da Defesa do Japão aposta no desenvolvimento do 'Railgun'

“Nossa única esperança é um protótipo de arma chamado ‘Railgun’. Dispara um projétil de aço a Mach 7.” Pouco depois de ele proferir essas palavras, uma “arma de trilho” anexada a um destróier de mísseis guiados do Exército dos EUA dispara uma rodada hipersônica através de um robô gigante tentando destruir uma das pirâmides egípcias. É assim que acontece uma das cenas de clímax do filme de ação de ficção científica “Transformers: A Vingança dos Derrotados”.

Em uma “pistola de trilho”, um projétil eletrocondutor é carregado entre dois pontos também feitos de material eletrocondutor. Uma corrente elétrica muito forte percorre um trilho, através do projétil ou de uma armadura que o suporta, e volta pelo outro trilho, criando um forte campo magnético que lança o projétil em alta velocidade. O Ministério da Defesa destinou 1 bilhão de ienes (cerca de 8,64 milhões de dólares americanos) para essa tecnologia no orçamento suplementar do ano fiscal de 2016 e construiu um protótipo. O objetivo é uma arma que possa disparar um projétil a 2.000 metros por segundo ou mais, que é em torno de Mach 6 e acima dos 1.700 metros por segundo do canhão principal de um tanque.

De acordo com a Agência de Aquisição, Tecnologia e Logística (ATLA), foram registradas em testes velocidades de 2.297 m/s. O ministério está investigando “armas ferroviárias” porque os países vizinhos estão desenvolvendo armas hipersônicas. Estes viajam a mais de cinco vezes a velocidade do som, tornando-os difíceis de interceptar e, segundo observadores, talvez impossíveis de derrubar as defesas antimísseis do Japão.

Fonte: Mainichi Shimbun

Copyright OS JORNAIS MAINICHI. Todos os direitos reservados.